Vladimir Safatle

É filósofo, professor livre docente da USP, autor de Só mais um esforço (Três Estrelas, 2017), "O circuito dos afetos: Corpos políticos, desamparo e o fim do indivíduo" (Cosac Naify, 2015), "A esquerda que não teme dizer o seu nome" (Três estrelas, 2012), entre outros

O que é fascismo? Vladimir Safatle

Nesta eleição, o termo “fascista” foi usado para descrever formas de discurso e posições políticas. Como identificar uma forma fascista de vida?

Dando corpo ao impossível Vladimir Safatle

Uma revolução política modifica ou não a estrutura da linguagem? Seria a linguagem transformada quando rupturas sociais fundamentais ocorrem?

O Brasil é uma forma de desaparecimento Vladimir Safatle

Por que o Brasil, por alguma razão ligada a uma patologia cultural, faz desaparecer o que ele mesmo produz

Criar o poder popular Vladimir Safatle

País ingovernável, Brasil não precisa da tão falada “reforma política”, mas de uma refundação institucional: é preciso dar presença efetiva ao poder popular

Os fins da democracia Vladimir Safatle

A redemocratização sempre incompleta do nosso país produziu, ao final, um regime de cinismo

Theodor Adorno: dialética come diavolo Vladimir Safatle

A segunda metade do século 20 conviveu de forma difícil com Adorno, que jogava incômoda sombra na efetividade

Dossiê | A psicanálise e as formas do político Vladimir Safatle

Um dos objetivos deste dossiê é atentar para o que a psicanálise pode inserir de singular no seio das organizações coletivas

O dia em que Foucault se fez Vladimir Safatle

Em ‘História da Loucura’, o pensador francês propôs uma nova questão metodológica para a filosofia

Epílogo gaulês Vladimir Safatle

Com longo histórico de influência francesa, Brasil está em posição privilegiada para estabelecer diálogo criativo com questões centrais da contemporaneidade

A derrota é algo que se constrói a frio Vladimir Safatle

Nas eleições de 2014, o Brasil esteve exposto a uma divisão que se converteu no embate atual, de proporções decisivas

O que resta da universidade? Vladimir Safatle

Somente enquanto a classe intelectual foi um problema potencial, devido a sua capacidade de mobilização e de tensionamento social, a vida universitária foi preservada

Dialética e experiência crítica Vladimir Safatle

A dialética negativa, ao menos para Adorno, é a única forma própria a nosso tempo de articular crítica efetiva e ação

A força da revolução e os limites da democracia Vladimir Safatle

Seria possível criticar a democracia, tal como a conhecemos hoje, em nome da liberdade e da emancipação?

Governar é fazer desaparecer Vladimir Safatle

Entender como o Estado brasileiro funciona é entender como ele administra o desaparecimento e o direito de matar. Esta é sua verdadeira forma de governo

A propósito de um erro de estrutura Vladimir Safatle

A possibilidade de morrer várias vezes nos livraria de certos medos próprios a organismos que morrem apenas uma vez

Ruínas estéticas Vladimir Safatle

Por que a arte moderna parece sempre ter que dar conta de linguagens já gastas?   Hegel afirma, em suas Lições sobre a filosofia da história, que os persas foram o primeiro povo a entrar na história “porque a Pérsia é o primeiro império que desapareceu” deixando atrás de si a mobilidade e a inquietude … Continue lendo “Ruínas estéticas”

Professores, escolas integrais e currículo mínimo Vladimir Safatle

Embora os brasileiros coloquem na educação a origem de nosso atraso, os resultados das políticas educacionais até agora são limitados

Atravessar a modernidade dobrando os joelhos Vladimir Safatle

Benjamin, Freud, Bataille e o diagnóstico moderno de desencantamento do mundo

Pratos quebrados Vladimir Safatle

Em sua estreia como colunista, Vladimir Safatle reflete sobre a resiliência humana

TV Cult