Como explicar o Brasil para um extraterrestre

Edição do mês
Como explicar o Brasil para um extraterrestre
(Arte Revista CULT/Reprodução)

 

Circula uma anedota sobre o Brasil na qual um extraterrestre, ao chegar ao planeta Terra, mais precisamente ao pousar sua aeronave no Brasil, solicita ao primeiro terráqueo que encontra pela frente para ser levado ao líder do país para ser informado do que está acontecendo por estas bandas do universo. O brasileiro, então, se limita a repetir, por várias vezes, “mas que vergonha! Mas que vergonha”. Essa piada, que alguns podem considerar sem graça, coloca duas questões importantes: quem são os atuais donos do poder e, principalmente, o que está acontecendo com o Brasil.

Do ponto de vista dos detentores do poder político e de seus ideólogos, o Brasil passa por uma “revolução conservadora”, através da qual se pretende assegurar os valores da família brasileira e promover o retorno a um passado de segurança, pureza e tranquilidade. Para além da inadequação moral do conservadorismo em uma país como o Brasil (o que se pretende conservar? A desigualdade aberrante? O extermínio da população pobre? O racismo? A homofobia?), o problema dessa visão de Brasil é facilmente identificável: esse passado ao qual se quer retornar nunca existiu.

Os ideólogos do atual governo produzem com seu discurso uma retrotopia (para utilizar uma expressão de Zygmunt Bauman) na disputa pelo imaginário da população. Promete-se o retorno a um passado mitológico (e o mito, como percebeu Jacques Lacan, serve para dar sentido ao que não tem sentido e preencher vazios argumentativos) como reação às incertezas e medos provocados pela dinâmica social e a perde de privilégios sociais das camadas médias da sociedade brasileira (o filme Que horas ela volta, de Anna Muylaert, revela esse medo).

Percebe-se, portanto, que diferentemente de uma verdadeira revolução conservadora (que buscaria conservar valores ameaçados), o que existe de concreto é um discurso e uma prática reacionária que visa destruir conquistas sociais. A ideia de conservação é substituída pelo projeto de destruição. E isso se dá a partir de um discurso voltado à conquista do imaginário da população com o recurso à propaganda e à promessa de retorno a uma passado mítico (exatamente o mesmo procedimento que os novos detentores do poder político acusavam os governos tucanos e petistas de tentar colocar em prática).

Todo o fenômeno bolsonarista é construído a partir de um mito que, por sua própria natureza, dispensa qualquer base empírica ou racional. Não por acaso, o mentor ideológico do bolsonarismo, o ex-astrólogo Olavo de Carvalho, construiu um discurso que forma um todo coerente a partir de certezas delirantes (que não guardam relação necessária com a facticidade e o valor “verdade”), mitos e sofismas. As conclusões do ideólogo do bolsonarismo partem de premissas erradas e crenças que desafiam o conhecimento produzido e acumulado pela civilização, o que explica o anti-intelectualismo (visível no ataque às vozes independentes de oposição na academia), inerente à personalidade autoritária de uma pessoa que se afirma filósofo e professor.

O bolsonarismo pode ser definido como um sistema de pensamento paranoico, em que certezas delirantes como o terraplanismo, o marxismo cultural e o complô comunista se misturam com senso comum, preconceitos e xingamentos para justificar e reforçar a ignorância e o culto à violência dos seus discípulos e seguidores.

As fake news são apenas um dos sintomas desse registro ideológico. A divulgação deliberada de notícias falsas ou distorcidas serve para reforçar preconceitos e noções mentirosas da realidade, mas também para orientar de maneira significativa as decisões individuais, sobretudo para manipular a cena política e eleitoral. Mais do que mera desinformação, são o resultado de um trabalho de engenharia comunicativa, social e ideológica que visa reforçar certezas delirantes, em especial para aqueles que estão predispostos a confirmar seus preconceitos, medos e visões distorcidas da realidade.

Se é verdade que o poder econômico aderiu ao bolsonarismo para impedir uma nova vitória do PT e de uma agenda que, em certa medida, procurava impor freios mínimos à ilimitação neoliberal, a base social do bolsonarismo é composta de pessoas que enfrentam inúmeros problemas gerados pelo funcionamento normal do modelo capitalista, mas que não possuem condições de reflexão para descobrir que o capitalismo é a verdadeira causa de suas dificuldades. Diante desse contexto, o então candidato Jair Bolsonaro contou com o “carisma do homem comum”, com a empatia que pessoas carentes de reflexão têm com outras pessoas carentes de reflexão. A ignorância une. O pensamento simplificador é mais facilmente comunicado à população. Mas não só. Da mesma maneira que idiotas se identificam com idiotas, preconceituosos se identificam com preconceituosos. Não faltaram, então, pessoas das mais variadas classes sociais para compor a massa bolsonarista.

Ainda na tentativa de explicar o Brasil e seus líderes, seria possível falar em populismo de direita, na moralização das classes populares (através das igrejas e dos militares) ou na mediocridade dos principais personagens da cena política, tanto na direita quanto na esquerda. Ou, ainda, que o Brasil reproduz todo o repertório ideológico do fascismo (crença na violência, medo da liberdade, anti-intelectualismo, ode a um passado mítico etc). Mas isso ainda não é suficiente.

O Brasil caminha para se tornar um país sem preocupações éticas. O egoísmo foi transformado em virtude, enquanto qualquer preocupação social passou a ser percebida como fraqueza. O discurso oficial dos detentores do poder político, por exemplo, aponta as minorias como a parcela da sociedade composta de pessoas disfuncionais e/ou inimigos. Aqui também se faz presente a necessidade, de todo regime autoritário, de criar inimigos. Manipula-se o medo da população a partir de inimigos imaginários para justificar o arbítrio. Há também o efeito secundário desse discurso: uma espécie de legitimação para ações violentas tanto de agentes estatais quanto de particulares contra mulheres, negros, LGBTs e militantes de esquerda.

Mesmo o combate à corrupção, defendido no plano retórico pelos detentores do poder politico, é marcado no Brasil pela violação aos limites éticos. Basta pensar, por exemplo, na naturalização de promessas de vantagens pessoais e econômicas aos acusados de corrupção que apresentarem as versões desejadas pelos gestores da nova inquisição (cada vez mais, como em todo regime autoritário, as funções de julgar e acusar se confundem por estas bandas).

Há também um novo registro erótico no país. Nunca se falou tanto de sexo e escatologia quanto agora, ainda que essas falas venham acompanhadas de um discurso moralizante. Ao que tudo indica, trata-se de uma estratégia para que perversos e recalcados falem de sexo (masturbação em crianças holandesas, orgias, mamadeira de piroca, golden shower, etc) sem constranger parcela do eleitorado.

Do ponto de vista econômico e político, parece existir certo consenso de que o Brasil caminha para um novo tipo de liberalismo. Um liberalismo que recorre a um ultra-autoritarismo para conter/exterminar os indesejáveis (pobre e inimigos políticos) e bloquear a reflexão. Um neoliberalismo antidemocrata e anti-iluminista. A militarização do governo é a explicitação desse novo paradigma de governo voltado à satisfação do mercado.

A plasticidade do neoliberalismo explica a existência de um governo militarizado e, ao mesmo tempo, comprometido com as políticas neoliberais voltadas ao fundamentalismo de mercado e à eliminação da esfera pública. A racionalidade neoliberal, entendida como uma normatividade, transforma a sociedade e as instituições, condicionando o funcionamento tanto do fenômeno da militarização, que passa a servir aos detentores do poder econômico e à defesa da constituição econômica, quanto da judicialização, que faz com que “a mão visível do direito sirva à mão invisível do mercado”, como afirma Pierre Dardot.

Em apertada síntese, pode-se afirmar que o Brasil vive uma espécie de realidade pelo avesso. Há um liberalismo contrário às liberdades individuais. Um anti-nacionalismo apresentado como nacionalismo, o que muitos analistas identificam como o desejo de voltar a ser uma colônia de exploração (em uma espécie de sadomasoquismo diplomático, que promete guerra à Venezuela ao mesmo tempo em que realiza todos os desejos dos Estados Unidos). Pode-se dizer que o Brasil de Jair Bolsonaro aderiu, portanto, a um neoliberalismo identitário (violento contra os diferentes), falsamente nacionalista, que tem como referencial o país de Donald Trump, bem diferente da opção de Fernando Henrique Cardoso (1995-2003) de aderir  a um neoliberalismo globalista e multilateralista, como aquele liderado por Bill Clinton. De igual sorte, aposta-se na ideologização da sociedade a pretexto de combater as ideologias, enquanto se ataca o conhecimento enquanto se afirma pretender melhorar a educação.

Por mais que se tente explicar, provavelmente a melhor reposta que se pode dar à questão posta pelo alienígena da anedota é: que vergonha! Que vergonha!

RUBENS R.R. CASARA é juiz de Direito do TJRJ e escritor. Doutor em Direito e mestre em Ciências Penais. É professor convidado do Programa de Pós-graduação da ENSP-Fiocruz. Membro da Associação Juízes para a Democracia e do Corpo Freudiano


> Leia a coluna Além da Lei, toda segunda-feira no site da CULT

(12) Comentários

  1. Confesso que fiquei curioso de ler esse seu quadro imaginario falando dos governos petistas ou mesmo do nossos vizinhos venezuelanos.
    Consegue?

  2. Vou guardar para toda vez que me sentir ultrajada em meus direitos de pensar, saber que tenho um texto perfeito para continuar acreditando que há pessoas,como você, a iluminar o nosso caminho! Obrigada e parabéns.

  3. Texto perfeito, claro e oportuno, contra a política do atual governo que retrocede do multilateralismo para o bilateralismo e poderá nos levar para uma profunda recessão.

  4. Seus textos são uma inspiração para mim e me permitem profundas reflexões.
    Não pare de escrever nunca!!
    Obrigada pelo enorme aprendizado que tenho ao acessar vc.

Deixe o seu comentário

TV Cult