O sonho inconfesso

O sonho inconfesso
(Arte Andreia Freire)
  Paradoxo temporal da ressaca: hoje, só amanhã. * Nada melhor e mais difícil do que ser casado com alguém que não dá mole pro seu sintoma. * Só há duas maneiras alegres de se relacionar com tarefas: alienar-se ou dominá-las. Ou se as terceiriza (e assim delega-se a relação para um outro), ou se as encara até o ponto de conhecê-las intimamente. 
O conhecimento profundo, de qualquer coisa, da contabilidade à faxina, é alegre, pois por meio dele nos tornamos ativos. Ao contrário, a incompetência, passiva em alto grau, não produz apenas um resultado ineficaz, mas também um processo infeliz. * A regra é clara. Mas o jogo é turvo. * A monogamia ocupa um lugar simbólico análogo ao das drogas na nossa sociedade: uma mistura de tabu e hipocrisia. As drogas, muita gente nega, mas quase todo mundo usa; a monogamia, muita gente exige, mas quase todo mundo descumpre. * Millôr: “Chato é o indivíduo que tem mais interesse em nós do que nós nele”. Metido é o indivíduo que tem menos. * Quem foi melhor, Pelé ou Messi? Comparar com precisão jogadores de diferentes épocas é teoricamente impossível: as condições gerais do jogo em cada época, os contextos em relação aos quais se desenvolvem e se avaliam as técnicas são diferentes, e logo essas últimas são, na acepção rigorosa da palavra, incomensuráveis. * Conhecer profundamente alguém é conhecer sua neurose. Por isso pode-se nunca conhecer profundamente um amigo, mas nunca se pode não conhecer profundamente um cônjuge: nas relações pess

Assine a Revista Cult e
tenha acesso a conteúdos exclusivos
Assinar »

Setembro

TV Cult