O enigma compartilhado

A interpretação que Adorno fez de Kafka tem na leitura de Benjamin o seu duplo assumido, procurando interrogar asperezas, incongruências e imperfeições da obra do autor de O processo. “Por isso somos condenados a arrastar atrás de nós, do berço à sepultura, um Doppelgänger, um irmão mudo e sem rosto, que é todavia co-responsável pelas … Continue lendo “O enigma compartilhado”

Iê-iê-iê, alegria, alegoria

O maestro, compositor e arranjador Júlio Medaglia fala sobre a importância que os Beatles tiveram para movimentos de renovação da música brasileira como a Jovem Guarda e o tropicalismo

A fragilidade absoluta

Se a modernidade trouxe para cada sujeito a tarefa intransferível de autoconstituição, a pós-modernidade tornou essa tarefa excessiva.   O fato é que caso queiramos circunscrever a pós-modernidade da perspectiva da globalização neoliberal, não será difícil identificá-la com a crise dos estados-nações, com o enfraquecimento de fronteiras e de distinções entre culturas aliado a uma … Continue lendo “A fragilidade absoluta”

Maquiavel, do diabo à ética

Hoje cada um de nós está na condição do príncipe de Maquiavel: mais livre do que nunca, mas também mais inseguro   Num dia de dezembro de 1513, um homem escreve a um amigo. Está no campo, banido. Foi preso e torturado. Mas não se queixa. Conta que passa o dia com os camponeses, gritando, jogando. … Continue lendo “Maquiavel, do diabo à ética”

Maquiavel e o republicanismo

Mais do que formular um novo conceito de verdade, ele nos ensina a deixar de lado formas políticas imaginárias A história da recepção da obra de Maquiavel foi marcada, desde o século XVI, pela insistência de muitos intérpretes em descrever suas análises da política como exemplo acabado do cinismo e da amoralidade, convertidos em regra … Continue lendo “Maquiavel e o republicanismo”

Arqueologia do campo

Uma onda conservadora se coloca na atualidade; existem novas pressões hoje para que a psicanálise seja uma prática estritamente médica, de forma que mesmo os psicólogos que a exerçam sejam tutorados por médicos na sua prática clínica.   A introdução da psicanálise no Brasil não se confunde absolutamente com a sua institucionalização, se definirmos essa … Continue lendo “Arqueologia do campo”

O apóstolo do individualismo

Em entrevistas e palestras, Faulkner defendeu uma fidelidade ao indivíduo que está na raiz do caráter multifacetado de suas personagens e em sua recusa a fazer da literatura um instrumento político Um demônio fez William Faulkner virar escritor. Um de­mô­nio interior, que lhe inspirava a necessidade de escrever, arrebatava-o e o mantinha até o final … Continue lendo “O apóstolo do individualismo”

As ondas políticas

O bom governante deve entender que está sempre em alto-mar Shakespeare encena Maquiavel. Próspero, d’A Tempestade, executa uma coreografia política pensada a partir das lições d’O Príncipe. A representação teatral do inglês é espelho privilegiado da política do florentino. No início da peça, Próspero é o legítimo Duque de Milão, lendo em sua biblioteca e … Continue lendo “As ondas políticas”

Um morto contra a morte

Lacan é como o Cristo que fala por parábolas, para que, nesse caso, tendo ouvidos para ouvir, não ouçam aqueles que não merecem.   Jacques Lacan (1901 – 1981) – assim o imagino com admiração, mas jamais poderei estar inteiramente seguro – pretendia denunciar a repetição monótona das interpretações correntes. Do pensamento de Freud, os … Continue lendo “Um morto contra a morte”

Sendas do homoerotismo

A experiência homossexual está presente em todas as épocas da literatura ocidental, compreendendo desde a exaltação greco-latina da beleza e da juventude até a carga simbólica de subversão presente em Sade e, a partir do século XIX, a busca de uma inacessível vivência individual presente nas obras de Walt Whitman, Oscar Wilde, André Gide, Virginia … Continue lendo “Sendas do homoerotismo”

Dezembro

TV Cult