Privado: À luz da angústia

Privado: À luz da angústia
  Mario Eduardo Costa Pereira Nascido nos arredores de Viena no ano de 1884, em uma família de modestos recursos financeiros e com graves problemas de relacionamento, aquele que viria a ser o autor de O Traumatismo do Nascimento conheceu a privação e a dificuldade. Aos 19 anos, devastado pela figura violenta de seu pai alcoolista que lhe traumatizara a infância, Otto Rosenfeld deixa a casa da família e decide atribuir a si mesmo o nome com o qual, anos mais tarde, se tornaria célebre no mundo psicanalítico: Otto Rank. Personagem singular entre os pioneiros do movimento psicanalítico, Rank desfrutou durante longos anos da confiança, da proteção e mesmo da admiração de Freud, que fez de seu brilhante pupilo o primeiro secretário da Sociedade Psicanalítica de Viena, como forma de auxiliá-lo a ter os meios materiais para prosseguir em sua formação de psicanalista. A confiança de Freud em seu protegido ia a tal ponto que, em 1909, aceitou escrever o capítulo intitulado “O Romance Familiar dos Neuróticos” para o livro que o talentoso novato elaborava sobre o mito do nascimento do herói. Mais do que isso: constatando a vasta erudição de Rank nos campos do mito, do símbolo e dos sonhos, Freud o convidou a redigir a parte relativa ao simbolismo dos processos oníricos para integrar a quarta edição de sua obra maior, A Interpretação dos Sonhos. As divergências entre os dois homens colocam-se após a Primeira Guerra, conduzindo a uma ruptura dolorosa e definitiva. O estopim da crise teórica que os separaria para sempre seria a publicação, em

Assine a Revista Cult e
tenha acesso a conteúdos exclusivos
Assinar »

Dezembro

Artigos Relacionados

TV Cult