Fora da torre de marfim: três textos de intervenção de Theodor W. Adorno Felipe Catalani

Esses três pequenos textos vão contra a imagem construída de Adorno como o filósofo da torre de marfim indiferente a toda conjuntura política e social

Não fazer nada – com Adorno? Sílvio Rosa Filho

A certa altura do livro ‘Minima moralia’, Theodor W. Adorno trata de discernir o sentido e o valor da locução “não fazer nada”

Cultura S.A.

Adorno diagnosticou como as sociedades capitalistas avançadas transformam as produções do espírito em pura mercadoria

A dialética do feminino em Theodor W. Adorno ou: “a própria mulher é já o efeito do chicote”? Deborah Christina Antunes

“As mulheres deveriam ter direito sobre seus próprios corpos”, disse Theodor W. Adorno durante uma “philosophical jam-session” com Max Horkheimer

Expressão e constelação: elementos estéticos na ‘Dialética negativa’ Rodrigo Duarte

Para Adorno, a dialética negativa deveria conservar e desenvolver o momento lúdico, que a cientifização do pensamento cada vez mais proscreve

DOSSIÊ | Adorno e a reinvenção da dialética Os editores

Leia texto de apresentação dos editores do dossiê “Adorno e a reinvenção da dialética”, da CULT 215, publicado em agosto de 2016

Indústria cultural e manutenção do poder Rafael Cordeiro Silva

Por um lado, a técnica permitiu a difusão da cultura para setores da população e, por outro, sacrificou a lógica da arte autônoma

Fascismo potencial Marcia Tiburi

Personalidade autoritária prenunciada por Adorno em estudo de 1950 aparece, hoje, nos discursos fascistas que pregam o ódio ao outro

A coroação do anti-subjetivismo Carla Milani Damião

No texto ‘Infância berlinense’, a história encobre o sujeito. Mais do que uma estratégia discursiva, há a crítica à subjetividade

Antídoto da filosofia Marcia Tiburi

Uma das obras mais importantes do século 20, ‘Dialética negativa’, do filósofo, sociólogo e musicólogo alemão a Theodor W. Adorno, é publicada no Brasil

TV Cult