Silvina Ocampo, a dama oculta

Silvina Ocampo, a dama oculta
A escritora argentina Silvina Ocampo em retrato de 1983 (Foto: Pepe Fernandez/Divulgação)
  Quem tem medo de Silvina Ocampo? É provável que muitos, dada sua personalidade extravagante, a literatura fora de quaisquer padrões e um histórico cercado de mistério e suposições de todo tipo. No Brasil, certamente há esse “medo”, pois é a primeira vez que uma editora se aventura a lançar a autora. Já não era sem tempo. Admirada por grandes nomes, como Cortázar, Borges (amigo íntimo que lhe dedicou um de seus textos mais famosos, “Pierre Menard, autor do Quixote”), Italo Calvino, Roberto Bolaño, Alejandra Pizarnik (que lhe devotava paixão suicida) e Camus, com quem manteve amizade e correspondência, Silvina era casada com Bioy Casares e irmã caçula de Victoria Ocampo, escritora e editora da revista Sur, em torno da qual circulava a moderna literatura sul-americana do século 20. Vivia à sombra, portanto. E não ligava para isso. De uma das famílias mais ricas da Argentina, passava os dias em sua mansão, às vezes vestida nas roupas do marido mulherengo, observando com indiferença o fluxo das ideias, pessoas e aventuras sexuais. De vez em quando, se detinha em algo e escrevia. E como escrevia! Seus contos começam já encarando o leitor de forma estranhamente perturbadora – sabemos, de alguma forma, que não sairemos incólumes da experiência. Como se tecesse fábulas para adultos, ela muitas vezes apresenta pequenos animais no limite da racionalidade ou de algo incompreensível para nós, tolos humanos. A perversidade latente das crianças também a atraía, assim como sua total abertura para o mundo. Seu desdém pela medi

Assine a Revista Cult e
tenha acesso a conteúdos exclusivos
Assinar »

Novembro

TV Cult