Bandeira LGBT foi criada por ex-militar inspirado por cultura hippie

Bandeira LGBT foi criada por ex-militar inspirado por cultura hippie O artista Gilbert Baker, criador da bandeira LGBT (Foto: Divulgação)

 

Roxo, azul, verde, amarelo, laranja, vermelho: a bandeira do arco-íris é o maior símbolo da luta contra a LGBTfobia, sendo hasteada em manifestações, eventos contra a violência e paradas ao redor do mundo. Criada há quase 40 anos por um ex-militar que aprendeu sozinho a costurar, sua história se mistura à trajetória da luta por direitos dos homossexuais – e é tão interessante quanto.

Nascido em uma pequena cidade no Kansas, um dos estados mais conservadores dos Estados Unidos, Gilbert Baker entrou para o exército aos 19 anos. Foi o serviço militar que o enviou para São Francisco, onde, no auge dos anos 1970, a luta pelos direitos dos homossexuais ganhava força junto do feminismo, do movimento negro e do pacifismo. Baker faria 66 anos nesta sexta (2) – ele morreu em março deste ano.

Envolvido na onda dos direitos civis que inundava a cidade e o mundo, o artista decidiu sair do exército e se fixar em São Francisco, onde começou a se envolver cada vez mais com o movimento LGBT e com as manifestações contrárias à guerra do Vietnã. Para ganhar algum dinheiro, o ex-militar aprendeu a costurar e passou a criar cartazes e faixas para os movimentos nos quais militava. O ativismo rendeu ao artista certa fama na cidade, além da amizade com Harvey Milk, primeiro político do país a se assumir homossexual e a lutar pelos direitos deste grupo.

Além do arco-íris

Até então, a população LGBT não tinha um símbolo próprio que a unificasse enquanto grupo social. Havia ícones que marcavam sua exclusão, como os triângulos cor-de-rosa que identificavam homossexuais nos campos de concentração durante a Segunda Guerra Mundial, e que alguns ativistas até chegaram ressignificar, mas nada criado por alguém que se identificasse como LGBT. E nada que tivesse, desde sua criação, uma carga positiva.

Neste contexto, Milk incumbiu Baker da tarefa de unificar as vozes da comunidade LGBT dentro de um único ícone; algo simples, bonito e que deixasse claro que a existência do coletivo era algo que não ameaçava ninguém. O desafio tinha prazo: o artista deveria criar algo para o desfile do orgulho gay de 25 de junho de 1978.

Baker buscou inspiração na cultura hippie, que via o arco-íris como um símbolo da paz, e na canção Over the rainbow, interpretada por Judy Garland em O mágico de Oz – cuja letra descreve um lugar pacífico “além do arco-íris”. Na bandeira criada por ele, cada faixa possui um significado: o roxo representa a força; o azul, a arte; o verde, a natureza; o amarelo, a luz; o laranja, a cura, e o vermelho, a vivacidade.

Havia ainda outras duas cores: o rosa, que simbolizava o sexo, e o turquesa, representando a harmonia – mas ambas foram retiradas das versões mais modernas por serem caras. Atualmente, algumas versões trazem também uma faixa preta, em homenagem aos mortos pelo vírus da AIDS, que teria sua maior epidemia mundial pouco depois da criação do símbolo.

Em 27 de novembro de 1978, meses depois da primeira marcha usar a criação de Baker, Harvey Milk e o então prefeito de são Francisco, George Moscone, foram assassinados. A indignação popular fez a demanda pela bandeira crescer e sua representação na mídia aumentar, disseminando-a mundo afora como um ícone da luta LGBT – e lançando Gilbert Baker como o unificador das vozes da comunidade.

Deixe o seu comentário

Dezembro

TV Cult