Dossiê | Clarice Lispector hoje

Dossiê | Clarice Lispector hoje
Clarice Lispector foi uma escritora nascida na Ucrânia em 1920 e morta no Rio de Janeiro, em 1977 (Arte: Revista Cult)
  Clarice Lispector, no Brasil e no mundo, tem uma longa história. A escritora, que completaria 100 anos em 10 de dezembro de 2020, durante os seus quase 57 anos de vida – pois faleceu no dia anterior ao de seu aniversário –, dedicou 37 anos à literatura, tendo começado cedo a escrever. Além de textos escritos na infância, que se perderam, com 19 anos publicou seu primeiro conto, “Triunfo”, na revista Pan, no Rio de Janeiro, em 25 de maio de 1940. E dois anos depois confessou a sua irmã, Tania Kaufmann, que escrever era a coisa que mais desejava no mundo. Manteve-se fiel a esse princípio de ação, por opção pessoal, a ponto de nos legar obra farta e substanciosa, com poder raro de criatividade, desde seu romance inaugural, Perto do coração selvagem (1943), até o último, postumamente publicado, Um sopro de vida (1978), passando aí por outros sete romances, além de nove volumes de contos e crônicas. Há que se acrescentar ainda outros livros reunidos postumamente. E cerca de 450 matérias entre colunas e páginas femininas em três jornais cariocas. Mas não só. Escreveu quatro livros de literatura infantil, outros com entrevistas publicadas na imprensa – como entrevistadora de personalidades do seu tempo – e cartas, muitas cartas às irmãs e a outros familiares, a amigos, jornalistas, intelectuais, editores, tradutores, leitores. E não é que também escreveu uma peça de teatro? E um livro com lendas brasileiras. E artigos, enquanto aluna da Faculdade de Direito, além de mais um, já anos depois, sobre tradução. E e

Assine a Revista Cult e
tenha acesso a conteúdos exclusivos
Assinar »

Setembro

TV Cult