Qual é a medida do amor?

Qual é a medida do amor?

A modelo transexual Viviany Beleboni participa da 19ª Parada do Orgulho LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais) de São Paulo, caracterizada como Jesus Cristo crucificado (Foto: Sérgio Castro/Estadão Conteúdo)

Como pode uma infeliz mãe acreditar em um homem que ela não conhece e com quem não vive só porque ele fala um pouco mais alto, usa um terno ruim e fala de Deus? 

A nova epidemia é a intolerância, e ela segue na velocidade da luz, sem dar tréguas. Se tentar dialogar, vai preso. Agora, a pergunta que não quer calar é: qual é a graça na intolerância, o prazer nisso? Nenhuma. A intolerância política, religiosa e policial (palavras que deveriam ser utilizadas como sinônimos, aliás), são claras.

A religião, a política e a polícia querem o povo adestrado, com o zero saber, para não filosofar, não pensar, não questionar. Querem a máquina funcionando a todo vapor, enriquecendo o outro sem reclamar. Mas pobre do homem que confia cegamente em outro homem! Os delatados, aliás, que o digam.

Agora, pior ainda: infeliz da mãe que se volta contra a carne de sua carne em nome de um amor que não está escrito na Bíblia. Lá temos provas de amor incondicional. De acordo com a passagem da Bíblia em 1 Coríntios 13:4-7, “o amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor. O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.”

Aí aprendemos que amor incondicional significa amor pleno, completo, absoluto, que não impõe condições ou limites para se amar. Quem ama de forma incondicional não espera nada em troca. O amor está em primeiro lugar. O amor incondicional é generoso, altruísta e infinito. É o típico “amor de mãe”, que é dado livremente, independentemente do que se recebe de volta.

Como pode, então, uma infeliz mãe acreditar em um homem que ela não conhece e com quem não vive só porque ele fala um pouco mais alto, usa um terno ruim e fala de Deus? Deixar de crer em Deus e em seu amor incondicional para crer na palavra de um homem que quer testar seu poder de persuasão, mandando matá-lo? 

Qual é a medida do amor? Quando se liga e desliga a chave do amar. Como faz para amar um filho por mais de uma década e, quando ele assume sua orientação sexual, deixar de amá-lo? Só se ama enquanto é hétero, ou bonito e saudável. Ama-se até que não mate, não morra. Ama-se até não se tornar prostituta. Ama-se só se for bem sucedido?

Uma mãe não tem o direito de se voltar contra um filho gay. Se é acolhido em casa, o vizinho acolhe, os amigos da família acolhem. Fortalecem-se juntos, passam pelas experiências do novo, do respeito e da tolerância juntos. Ninguém é obrigado a amar, mas todos são obrigados a honrar quem lhes deu educação. E respeitar ao próximo e amá-lo como se fosse você mesma.

(1) Comentário

  1. amar é bem diferente de aceitar a pratica de erros e vontade da carne, deus nos ama , mas nunca despreza o pecador, mas sim o pecado , isso nao quer dizer que ele aceita o pecado , eu amo o meu filho mas não aceito sua pratica ao pecado ,mas não desprezo o meu. filho , mas não aceito a sua escolha carnal. podemos fazer a escolha de não gostar de mulher , mas não dar o direito de viver homem com homem e vice e verça .

Deixe o seu comentário

Fevereiro

TV Cult