Marx e Keynes

Marx e Keynes
O economista britânico John M. Keynes (Arte Andreia Freire)
  A compreensão das crises do capitalismo requer que se faça uma distinção bem precisa entre as teorias de Marx e Keynes. Pois a mistura eclética dessas duas teorias, muito difundida e mesmo dominante hoje em dia, tem criado uma enorme confusão interpretativa. A obra principal de Karl Marx (1818-1883), O capital – Crítica da economia política, como se sabe, foi escrita em meados do século 19. Já o escrito notável de John M. Keynes (1883-1946), Teoria geral do emprego, do juro e do dinheiro, veio à luz na década de 1930. O capitalismo mudou muito entre o último terço do século 18, quando acontece a primeira revolução industrial baseada na introdução da maquinaria mecânica, até o último terço do século 20, quando surge a terceira revolução tecnológica baseada na máquina computacional, mas não deixou de ser capitalismo. Por isso, as obras desses dois autores que melhor o examinaram continuam centrais para compreendê-lo adequadamente. Para distinguir e apresentar comparativamente os principais traços dessas duas teorias, é preciso começar por uma representação sintética do processo de reprodução do capital, base estrutural da reprodução histórica do modo de produção capitalista. Na figura ao lado, apresenta-se o circuito do capital monetário, o qual foi descoberto por Marx, mas não deixou de ser endossado até certo ponto por Keynes. Ele mostra que no sistema capitalista se usa dinheiro para comprar mercadorias com as quais se produzem novas mercadorias que, ao serem vendidas, geram normalmente mais dinheiro. O ci

Assine a Revista Cult e
tenha acesso a conteúdos exclusivos
Assinar »

TV Cult