Notícias de outras ilhas: Mariano Marovatto

Notícias de outras ilhas: Mariano Marovatto
O poeta Mariano Marovatto (Foto: Divulgação)

 

Mariano Marovatto escreveu livros como Estirâncio (7Letras, 2019), Casa (7Letras, 2015) e Vinte e cinco poemas com Chico Alvim (Luna Parque, 2015), e gravou alguns discos, entre eles, Praia (Maravilha 8, 2013) e Selvagem (Embolacha, 2016). Recentemente organizou Os fantasmas inquilinos, antologia de poemas de Daniel Jonas (Todavia, 2019) e a versão em português de Silêncio de John Cage (Cobogó, 2020). Doutor em literatura brasileira pela PUC-Rio, toda a sua produção está disponível em marovatto.org.

Para a seção “Notícias de outras ilhas” – em que poetas, escritores e tradutores sugerem leituras para o período da quarentena –, indica dois poemas de Ursula K. Le GuinA curadoria é de Tarso de Melo. Leia os poemas e o comentário da poeta abaixo.

 

Não tenho lido poemas na quarentena, confesso. Nem escrito. Tenho mantido diários sobre diversos assuntos e conseguido trabalhar, de forma modesta, em casa. Aqui fazemos ioga diariamente, coisa que nunca havia acontecido antes, e cozinhamos todos os dias. Leio jornais abstrusos, baixei um aplicativo que é um quizz sobre praticamente tudo, no qual podemos jogar contra qualquer outra pessoa do planeta, aleatoriamente. Tenho lido muita coisa de não-ficção de norte-americanos otimistas como o compositor John Luther Adams e a incrível Ursula K. Le Guin, de quem, tomando a liberdade, traduzi à jato esses dois poeminhas que falam sobre assuntos tão latentes: o perecer à espreita e essa sensação louca que estamos vivenciando de nunca poder “desertar o deserto” criado pelo vírus. Beijos, se cuidem.

 

***

Ancestrais

Estou tão longe dos meus antepassados agora
na minha extrema velhice que eu me sinto mais um deles
do que seus descendentes. Chegou a hora
de uma maneira física, eu não entendo. A idade se desfaz
e brinca de oroboro. Eu, a única filha
sempre fui uma das vovozinhas,
rindo de tudo, sem entender nada,
incompreensível.

***

Um palíndromo que não quero escrever

O triste palindromedário,
simétrico e arbitrário,
não pode desertar o deserto, não pode vagar,
erra para frente e para trás e nunca chega em casa.
O bustrofédon mental é assustador.
Eu não quero escrever um palíndromo.

(dois poemas de Ursula K. Le Guin, em tradução de Mariano Marovatto)

 

Deixe o seu comentário

Setembro

TV Cult