dossiê | Feminismos e a violência do conceito único de ser mulher

Edição do mês
dossiê | Feminismos e a violência do conceito único de ser mulher
(Arte: Fernando Saraiva)

 

Feminismo das mulheres negras, das mulheres indígenas, das mulheres trans. Experiências múltiplas de existência impõem lutas plurais, com seus acordos e dissensos, suas rotas comuns e suas encruzilhadas.

A interseccionalidade – conceito proposto pela ativista e estudiosa da teoria crítica racial Kimberlé Crenshaw – pressupõe, para além do recorte de gênero, um cruzamento de identidades que tornam complexa e heterogênea a condição de ser mulher.

O feminismo da diferença é o objeto de estudo deste dossiê, coordenado por Marina Costin Fuser. Escrito por mulheres pesquisadoras e diversas entre si, o dossiê traz ainda uma entrevista com três intelectuais que ajudaram a escrever a história dos estudos de gênero no Brasil.

O dossiê é composto pelos textos:

O feminismo que “fala à margem”: da diferença à coalizão
por Marina Costin Fuser

Arqueologia dos corpos: Foucault e os feminismos
por Luana Saturnino Tvardovskas

Feminismo negro: corpos e vozes em movimento
por Carolina dos Santos Bezerra Perez

Mulheres da floresta
por Ana Euler e Lylian Rodrigues

A violência do essencialismo e do universalismo: o que define uma mulher?
por Lilyth Ester Grove

As nossas mestras: mulheres que abriram caminho nos estudos feministas e de gênero
por Ana Euler e Lylian Rodrigues


> Assine a Cult. A mais longeva revista de cultura do Brasil precisa de você. 

Deixe o seu comentário

TV Cult