A República do cinismo

A República do cinismo
(Arte Revista CULT)

 

O cinismo venceu entre nós.

E quando o cinismo vence em uma sociedade, enquanto durar essa vitória, não há mais esperança para as relações humanas por um simples motivo: o cinismo é o cancelamento de toda a possibilidade de relação com o outro, portanto, a inviabilidade da mais básica relação intersubjetiva que nos levaria a formar algo em comum, como uma sociedade.

Há uma evidente desprezo aos valores civilizatórios e às convenções sociais no contexto do cinismo. Não há espaço para construções coletivas ou consideração pelos sentimentos dos outros.  Não é à toa que as “bolhas” avançam, como caricaturas do que, em uma sociedade, seria o “comum”. As bolhas garantem o individualismo que impera na mentalidade de todos os que jogam com o poder e mantém o cinismo em alta.

Sociedade é uma categoria que nos permite entender um contexto de relações mediadas objetiva e intersubjetivamente, ou seja, um contexto de convivência entre instituições e pessoas sustentadas por leis e valores. No contexto do cinismo é impossível que se coloque em questão algo como “sociedade”, simplesmente porque a intersubjetividade, essa troca de possibilidades, de pensamentos, de ideias e valores, é impossível.

Em termos bem simples, quando vence o cinismo, acabou a sociedade. Em termos discursivos, pois o cinismo é também uma forma linguística, acabou-se o diálogo que era o metabolismo essencial das relações humanas. Por isso, o cinismo é a forma discursiva preferida dos poderosos. Ele cancela o diálogo mesmo quando insiste que sua vítima continue a falar. Muitas vezes, usa a fala do outro para produzir enganações e mentiras em geral. Não é por acaso que as chamadas fake news cheguem tão longe e com tanta profusão. Elas são até mesmo necessárias para a sustentação do sistema cínico e quem acredita nelas é um otário contumaz sempre preparado para recebê-las como um guilhotonado tem que receber a guilhotina. Perder a cabeça é uma boa metáfora para pensar no caso.

O cinismo é a figura de linguagem como forma de dominação. Como performance política é algo imbatível. Diante de um cínico, uma pessoa comum não consegue dizer nada. E mesmo que diga, argumentos racionais não alcançam o cínico, pois o cinismo é um verdadeiro escudo contra perguntas.

Se há motivo para que não se dialogue com alguém, mesmo quando se “conversa” com ele, é por que ele é um cínico. Não vamos perder de vista que entre dialogar e conversar há uma diferença imensa. Não se conversa com um fascista apenas porque ele é paranoico, ou seja, alguém que tem um sistema pronto e totalmente distorcido de pensamento. Mas porque o paranoico é, antes de mais nada, um cínico. Para ele, não importam argumentos lógicos, mas apenas o que ele quer que tenha validade diante da sua vítima. O cinismo é a retórica da paranoia. Aquilo que parece uma mentira, é bem mais do que isso no mundo da pós-verdade. O cinismo é um jogo de poder na forma de uma camisa de força que o cínico coloca no cidadão comum, para usar outra metáfora.

Aliás, os cínicos não gostam de metáforas.

Ele também é contrário à ironia. Ele é a figura de linguagem que não admite a inteligência do opositor. O cínico despreza o pensamento reflexivo, aquele que obriga a duvidar e perguntar. Você sabe que está diante de um cínico quando não há chance de questionamento. O cínico sempre deixa seu interlocutor chocado, paralisado.

É que o cinismo realmente se coloca como uma espécie de amarração. Uma grande enrolação. A vítima do cinismo vive perplexa com a maldade do cínico que o submeteu no seu jogo de linguagem sádico. É impossível para a vítima se mover mentalmente, tomada que está pela perplexidade envenenada que o cínico armou contra ela como uma teia, para usar outra metáfora.

Quando você diz não acreditar nos motivos pelos quais um juiz prende o principal opositor do vencedor e depois se torna ministro de quem venceu; quando você diz não saber como as figuras mais toscas da cena brasileira, do ator pornô à professora maníaco religiosa, se tornaram deputados super votados; quando um jornalista sugere erguer uma estátua de um torturador famoso em praça pública e você não tem o que fazer diante disso; quando um deputado conhecido pela ignorância, que jamais fez nada pelo Brasil além de “mamar na teta do Estado”, se elege presidente e sua família inteira de “mamões” também assume cargos públicos; quando um desses deputados eleitos promete “pacificamente, matar todos vocês” e você só pode assistir boquiaberto; quando as notícias falsas assumem o lugar da verdade apenas porque se odeia os mal falados; quando um governador eleito diz que vai abater pessoas e você se mantém inerte diante dessa promessa de assassinato em massa; então você se tornou vítima do cinismo. À vítima do cinismo costumamos dar o nome de otário.

Faz parte do cinismo dizer: o cinismo sempre existiu. Assim como lavagens cerebrais.

Perguntar pelo que podemos fazer diante do cinismo é só o que parece possível de se fazer nesse momento. É que o cinismo nos coloca em um círculo vicioso. Seria necessário romper esse círculo, mas ele é forte demais, é como uma camisa de força que só pode ser desamarrada por quem está livre dela. O desafio, portanto, é parar para refletir como chegamos até essa sociedade cínica e, sobretudo, quais devem ser os passos para superá-la.

 


> Leia a coluna de Marcia Tiburi toda quarta-feira no site da CULT

(9) Comentários

  1. Olá, com enorme respeito gostaria de somar e adentrar o conteúdo, no qual há uma corrente filosófica chamada cinismo muito importante na história da filosofia que deveria se distinguido do cinismo convencional para aqueles que leiam tenha a noção que existe uma diferença e para não generalizar a palavra.

  2. Parabéns pela reflexão, Márcia! O cínico, com certeza, é antidialógico. Na obra Pedagogia do Oprimido, Paulo Freire diz que o opressor não dialoga com o outro, mas sua postura autoritária é de sempre impor os seus ideais de dominação. Estamos vendo agora mais uma postura cínica e autoritária dos que defendem o projeto Escola Sem Partido. A Escola Sem Partido, se aprovada a ideia, será um meio de domínio legal e cínico que será imposto aos que não terão oportunidade de pensar criticamente. Isso será bom para o mercado neoliberal que quer produtores autômatos…

  3. Abordagem irretocável, como sempre. Os cínicos estão por aí como quem, desprovido de senso de oportunidade e temporalidade, põe -se a desfilar, não sem soberba e com um riso de canto de boca, sua pochete.

  4. Abordagem irretocável, como sempre. Os cínicos estão por aí como quem, desprovido de senso de oportunidade e temporalidade, põe -se a desfilar, não sem soberba e com um riso de canto de boca, sua pochete.

  5. BOA NOITE!
    Realmente me sinto ora sim, ora não, um otário perplexo.
    Principalmente depois de ver com meus olhos que o fogo do crematório há de queimar, um presidente eleito por mais de 50 milhões de votos depois de ter encenado o papel do perfeito fascista cínico

  6. Com seus escritos e aparições, Tiburi encarna a má-fé intelectual no beletrismo, usando sua formação acadêmica para legitimar uma posição política reacionária. Como fliar-se a um partido de ladrões e ainda defender Lula, Dilma etc., contra todas as evidências? A ladainha de que “não há provas” é só artimanha pra agradar a outros sectários. Vergonhoso.

Deixe o seu comentário

Dezembro

TV Cult