A palavra em movimento

A palavra em movimento
Mário Alex Rosa (Divulgação)
  A poesia visual de Mário Alex Rosa se apropria de objetos de uso cotidiano, como talheres, luvas, tesouras e cadeados, que são incorporados em outros territórios simbólicos, adquirindo novas possibilidades de significação. Os procedimentos estéticos utilizados pelo poeta mineiro nessa jornada criativa, como o recorte, montagem e colagem de signos, recordam as técnicas dadaístas de ready made desenvolvidas nas primeiras décadas do século 20 por poetas e artistas plásticos como Kurt Schwitters e Marcel Duchamp, que incorporaram detritos da sociedade industrial em suas obras, como cédulas monetárias, selos ou bilhetes de trem, denunciando a sociedade de consumo e a perda da “aura” da atividade artística, tal como assinalado pelo filósofo alemão Walter Benjamin. A crítica da realidade imediata e dos valores culturais hegemônicos é inerente a essa perspectiva, ao mesmo tempo criadora e demolidora, que se realiza de forma eficaz pelo uso do paradoxo, da alegoria e do humor. Em seus inusitados inutensílios – para usarmos uma palavra do vocabulário de Manoel de Barros –, o poeta mineiro, nascido em São João Del Rey, não renuncia à palavra, que é incorporada ao trabalho visual como representação do pensamento e como elemento plástico: as letras possuem um desenho que se tornou quase imperceptível na prática rotineira da leitura e cabe ao poeta justamente recuperar a sua vitalidade, o seu caráter de inscrição, mais evidente nos antigos alfabetos orientais e ocidentais, como as runas escandinavas, que privavam de um caráter simbóli

Assine a Revista Cult e
tenha acesso a conteúdos exclusivos
Assinar »

Fevereiro

TV Cult