A política dos sem-política

A política dos sem-política
Aqueles que se elegeram a partir do discurso antipolítico fizeram política enquanto, ao mesmo tempo, a negaram   Políticos foram eleitos no último pleito sustentando um discurso, no mínimo, estranho. Alegavam que não eram políticos. Os que votaram neles, aprovando o ato, sem a mínima atenção a essa estranheza, caíram em uma armadilha. Tivessem feito uma pergunta simples “o que alguém faz quando se filia, se candidata e faz campanha, senão política?”, estariam libertos dela. Ora é impossível não fazer política pelo fato de que todos os nossos atos humanos só são humanos porque são políticos. Fazemos política consciente ou inconscientemente, o tempo todo, por ação ou omissão. Mais ainda quando participamos ativamente das instituições e organizações políticas. Aqueles que se elegeram a partir do discurso antipolítico fizeram política enquanto, ao mesmo tempo, a negaram. Venceram em uma zona estranha, a da contradição, e da autocontradição, onde, em política, como na vida em geral, se joga o jogo das relações humanas na posição do cínico ou do otário. No primeiro caso, usa-se a contradição a seu favor; no segundo, cai-se nela achando que se leva alguma vantagem. É a velha dialética do senhor e do escravo que assumiu uma nova forma: ela foi substituída por uma espécie de dialética cínica negativa e sem solução. A antipolítica é a redução da política à propaganda contra a política. A propaganda esconde a contradição, e a política se aproveita dela. Despolitização é um nome parcial para falar do e

Assine a Revista Cult e
tenha acesso a conteúdos exclusivos
Assinar »

Dezembro

TV Cult