Trabalhadores digitais, uni-vos

Trabalhadores digitais, uni-vos Cena do filme 'Tempos modernos', de Charles Chaplin (Divulgação)

 

A promessa histórica das tecnologias foi a libertação do trabalho.

Penso nessa engambelação sempre que vejo um caixa eletrônico, uma bomba de gasolina sem frentista, um caixa de supermercado ou de farmácia em que o atendimento é essa coisa esquisita chamada de “self-service”.

Sempre que, do outro lado da linha, uma gravação telefônica usurpa o lugar de um ser humano, eu me incomodo. Ainda prefiro pessoas ocupando esses lugares.

Hoje em dia, enquanto o hábito de falar ao telefone desaparece com as novas redes sociais, empresas de telemarketing usam robôs para ligar para possíveis clientes. Qualquer um que passe uma tarde em casa recebe até telefonema de funerária tentando vender túmulos. Talvez estejam falando de morto para morto.

Aquele que antes trabalhava, agora dorme na rua sem teto, justamente porque não tem como pagar esse artigo de luxo que se torna um lugar para morar nas grandes cidades.

Os direitos trabalhistas são ameaçados enquanto o próprio trabalho desaparece.

Nessa horas em que trabalhar está em baixa, muitos ficam horas e horas na frente do computador como se não estivessem fazendo nada.

Depois das promessas das tecnologias essa é uma nova engambelação. Pois o regime de entretenimento é, na verdade, o novo regime de trabalho. Adeus CLT, adeus jornada de trabalho de 40 horas, adeus hora-extra, adeus carteira assinada, adeus FGTS, para que tudo isso quando se tem um perfil nas redes sociais?

Calma, o nexo, já surgirá na sua tela…

É verdade que uma nova produtividade digital se instaurou. Fazemos muitas coisas pela internet: nos comunicamos como nunca, ficamos sabendo de tudo, compramos de tudo um pouco.

Sobretudo, trabalhamos de graça produzindo textos e mais textos, fotos e mais fotos, transmitindo informação como carteiros sem patrão.

Concentrados, atentos e dedicados, somos todos funcionários dóceis das redes sociais tentando levar nossa vantagem na era da iniciativa privada e do empreendedorismo, incapazes de reivindicar direitos, até porque eles não existem mais. Foram apagados junto com o trabalho. E ninguém mais precisa falar disso.

Consumidores de Facebook e outras redes sociais são trabalhadores digitais. Não apertam mais parafusos como no filme de Chaplin, agora eles teclam e teclam. A esmolinha pelo trabalho não remunerado é um “like”, uma “curtida” que se ganha de vez em quando, conforme o capital social adquirido nas redes.

Alguém vai chamar isso de pós-trabalho. Um nome mais simpático do que a velha exploração.

O usuário das redes é o novo otário, mas não se deve dizer isso, afinal, a hipocrisia é a lógica triunfal desse processo. O lucro final que resta partilhar na firma universal da internet.

(5) Comentários

  1. Concordo q o emprego é roubado pela máquina enquanto aumenta a densidade demográfica. E a “reforma” trabalhista tb trabalhará em desfavor do homem. Resta pensar q as redes tb funciona como uma forma de resistência as informações seletistas, uma das poucas opções de obtermos e transmitir os informações divergentes da midia dominada por interesses exclusivos do capital.

  2. A ideia de globalização surge para aproximar a comunicação em diversos lugares, mas o que acontece é uma ilusão digital, onde as pessoas continuam sendo alienadas e muitos ficando dependente da era digital. As redes sociais tem seus pontos positivos e negativos, por um lado as pessoas estão bem informadas com a notícia que se passa em todo planeta, mas por sua vez muitas pessoas ficam presas ao universo do Facebook, sem ter limites entre o público e o privado, o que se assemelha com o filme de charles Chaplin a repetição de está teclando a cada instante, tornando um vício impulsivo, deixando de lado a realidade em que aquele indivíduo está vivendo, mas com uma diferença que não somos remunerados por está no celular. A carência de emprego, se deve por empresários que para obter maiores lucros investem em máquinas para substituir o trabalho humano, pode-se dizer que com o avanço da tecnologia a tendência é sermos substituídos por esses aparelhos eletrônicos. Enquanto, nós, estamos virando fantoches digitais.

Deixe o seu comentário

Novembro

TV Cult