A experiência da individuação no campo junguiano

A experiência da individuação no campo junguiano
O psiquiatra suíço Carl Jung em 1910 (Foto: Reprodução)
  Os estudiosos de Jean-Jacques Rousseau são obrigados a se deter em uma experiência vivida pelo filósofo, chamada “emoção criadora”. Estamos em 1748 e Rousseau, a caminho de Vincennes, viveu algo inusitado, que lhe deu acesso a todas as chaves de sua obra: acolheu pensamentos não pensados que não cessariam de se desdobrar. Carl Gustav Jung também teve uma experiência original e única na história das psicanálises: o processo de individuação. Ousamos dizer que toda a teoria proposta pelo psicólogo suíço, todos os seus conceitos, advêm daí. Por ressonância, por reconhecer essa experiência e suas chaves afetivas em nós, na nossa experiência, nos aproximamos de Jung. Ao longo deste artigo vamos nos valer de alguns paradigmas elaborados por Jung para dar contornos à sua experiência de individuação, que também foi  a de seus pacientes. O eu e o inconsciente, escrito no início da década de 1910, modelo da individuação na segunda metade da vida,  enfatiza a morfologia: persona/sombra/anima-animus/grande mãe/si-mesmo. Também dessa época, o escrito “Adaptação, individuação, coletividade” (1916) nos permite compreender a solidão de quem vive esse processo e também sua culpa e  reparação. Culpa por ser um desertor – termo usado por Jung – obrigado a sair da corrente energética que liga a sociedade, a cultura e o coletivo. Reparação já  que quem se individua há de criar um valor e só então reingressar no coletivo e na corrente energética que sustenta esse meio, como Jung denomina a cultura e o coletivo. Nossa p

Assine a Revista Cult e
tenha acesso a conteúdos exclusivos
Assinar »

Dezembro

TV Cult