Cultura Inglesa Festival tem protagonismo feminino no teatro

Cultura Inglesa Festival tem protagonismo feminino no teatro
Na peça 'What girls are made of', Cora Bissett viaja como vocalista da banda Darlingheart em turnê com Radiohead (Divulgação)

 

O circuito de teatro do Cultura Inglesa Festival reúne tradicionalmente peças internacionais e nacionais que trazem, em suas produções, aspectos da cultura britânica. Entre os profissionais, o evento é conhecido por lançar projetos e artistas. Neste ano, foram selecionadas quatro atrações pelo edital – duas voltadas ao público adulto e duas voltadas ao público infantil. O quinto espetáculo, convidado pela produção do Festival, é a peça internacional What girls are made of.

Sobre a seleção de projetos, uma das curadoras, a ensaísta e professora da USP Silvana Garcia, comenta: “cada júri tem absoluta autonomia na seleção dos projetos premiados, mas vejo que sempre prevalece uma preocupação de que os escolhidos reúnam alguns méritos: textos que possam se comunicar com uma plateia brasileira, um bom projeto de direção, um elenco consolidado – o que não é incompatível com a presença de jovens artistas – e que traga a tona temas e questões nas quais possamos reconhecer a atualidade em diversos patamares.” O restante do time, além de Silvana, é formado pela crítica teatral Maria Eugênia de Menezes e pelo ator e diretor Kiko Marques. Um aspecto interessante da seleção de 2019 é que, das três peças para o público adulto, duas são protagonizadas por mulheres.c

Nos dias 24, 25 e 26 de maio, no Teatro FAAP, o Festival traz a peça inédita no Brasil  What Girls Are Made Of, premiada no Edinburgh Festival Fringe. Dirigida por Orla O’Loughlin – ex-diretora artística do Traverse Theatre –, a história se passa nos anos 1990, no auge do grunge. A protagonista, vivida por Cora Bisset, é uma adolescente com aspirações à carreira musical e desejo de conhecer o mundo. Ela realiza seu sonho viajando como vocalista na banda Darlingheart, em turnê com Radiohead, e descobre, durante a trajetória, sua própria identidade.

Já nos dias 1 e 2 de junho, o Teatro Cultura Inglesa recebe Heather, um projeto da atriz Laís Marques com a Cia Razões Inversas, e texto do dramaturgo britânico Thomas Eccleshare. Trata-se da história de uma escritora de livros juvenis, reservada e reclusa, que se vê cercada de publicidade e fama após um de seus livros se tornar um best-seller. A direção é de Marcio Aurélio, um dos mais premiados e reconhecidos diretores do teatro brasileiro.

O Teatro Cultura Inglesa também recebe Intervenção, espetáculo que trata do tema de discordância política. Com direção de Alexandre Tenório, a obra conta a história de dois amigos de longa data que veem a relação estremecer após a intervenção militar. O texto é do dramaturgo britânico Mike Barlett, com tradução de Cristina Cavalcanti e tem datas marcadas para 28 e 29 de maio.

23º Cultura Inglesa Festival
Quando? De 24 de maio a 16 de junho de 2019
Quanto? Entrada Gratuita
Programação e informações no site: https://cultural.culturainglesasp.com.br/

Deixe o seu comentário

Setembro

TV Cult