Aline Passos

Doutoranda em Sociologia pela Universidade Federal de Sergipe (UFS),  é mestre em Ciências Sociais pela PUC-SP, graduada em Direito também pela UFS. Professora de Direito Penal, Processo Penal e Criminologia. Escreve às quartas sobre abolicionismos penais.

Genocídio e a enunciação da pandemia nas colunas sociais de política Aline Passos

Com a pandemia, o genocídio tornou-se nomeável para boa parte da imprensa porque chegou ao asfalto e entrou no condomínio fechado

O que Angela Davis me ensinou como mulher e pesquisadora branca? Aline Passos

Quando nos situamos nas relações raciais, fica difícil (ou impossível) falar de nós mesmas, mulheres brancas, como centro da história

Abolicionismo penal e garantismo: aliança precária, fundamentos divergentes Aline Passos

É preciso um pouco mais de atenção para que aliança não se confunda com identidade e o garantismo não capture as sensibilidades abolicionistas

Abolicionismo penal no mês da Visibilidade Trans: um convite Aline Passos

Toda denúncia de transfobia nas prisões, masculinas e/ou femininas, é uma demanda pelo fim de todas as prisões

O abolicionismo penal brasileiro e o desembarque da branquitude Aline Passos

Abolicionistas de primeira hora têm resistido aos abolicionismos tecidos por negros/as, nordestinos/as, lgbttqia+, influenciadores/as e familiares de presos

O “preso Maria da Penha” e a armadilha da visibilidade Aline Passos

Em nome da visibilidade e proteção de algumas de nós, quantas outras estarão submetidas a violências inomináveis? E quem chamamos de “nós”?

Encrencas abolicionistas: por uma ética das tensões produtivas Aline Passos

Por que criticar os abolicionismos por meio do conceito de ‘esquerda punitiva’, se existe o conceito de ‘feminismo carcerário’, usado por Angela Davis?

Vozes abolicionistas penais no Brasil Aline Passos

O volume da produção, entre traduções e originais, e a proliferação de frentes estaduais pelo desencarceramento desmentem a falta de fontes abolicionistas no país

Invenções abolicionistas em solidariedade às vítimas Aline Passos

A inversão do princípio da proporcionalidade tem como efeito mais imediato trazer a vítima para o primeiro plano das elaborações abolicionistas

Setembro

TV Cult